sexta-feira, 29 de abril de 2011

All of me

aperte o play e boa leitura!



Era um carnaval de rua, há poucos anos atrás.
Na esplanada do teatro, uma pequena multidão divertia-se ao som de marchinhas.
Tirou o tapa-olho para ver se estava vendo direito. Estava.
Um sorriso lindo, boca vermelha de batom, um vestidinho tomara-que-caia que deixava os cabelos do peito à mostra.
Um pirata e uma “piranha” não são exatamente um casal comum.
Mesmo assim, não deixavam de se olhar.
O menino, de piranha, tinha escrito à canetinha no braço esquerdo: “Mas é carnaval...” e era exatamente isso que passava pelos pensamentos do pirata.
Como quem segue as estrelas, o garanhão dos mares procurava, além do menino de vestido, o ambulante com cerveja. E o caminho até ele passava exatamente pelo garoto transvestido.
Quando o pirata aproximou-se, ouviu um “pra onde será que vai esse pirata?”
Daí pra frente, os caminhos eram próximos, as risadas eram mútuas e os beijos, trocados escondidos atrás de muros e carros pela rua.
O carnaval passou.
Em feriados, finais de semana e alguns momentos sem combinação, eles se encontravam.
Como amigos.
Um dia, sem fantasia, os dois estavam entre amigos (agora comuns) e a vontade do moço era pegar o menino pelos braços e dançar no meio da sala, sentir seu cheiro e a respiração bem perto.
A noite foi se alongando, as pessoas se embriagando e os dois, ainda distantes, davam a dica de que seria assim a madrugada toda.
E foi o que aconteceu.
Os olhares só se olharam e as bocas só se falaram. Não houve beijo nem de borboleta.
Mas, felizmente, por alguns minutos, a distância não existiu.
O menino apertou o play no rádio, aproximou-se do moço e estendeu a mão.
- Dança essa comigo?
Sem jeito, o moço assentiu e embalou-se ao som de “All of me”, como se aquela fosse a última música que dançaria em sua vida. Dançou no meio da sala, sentiu o cheiro e a respiração bem perto.

Aquele dia percebeu que existem pessoas que nunca vão passar despercebidas em sua vida.

19 comentários:

Marcos Campos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos Campos disse...

Perfeito o casamento, da musica e do texto...há pessoas assim mesmo, que nunca serão esquecidas...
Billie é d+ !!
Abraço !

Edu disse...

Supimpa - perfeito mesmo! Esse povo tá com um talento pra casar música e texto que... uau!

Wans disse...

Dancemos então como se não houvesse amanhã. E aproveite bastante nesse weekend.

Marisa Watanabe disse...

Quem te conhece... conhece! =D

Fred disse...

Que perversão é essa de beijo de borboleta?!?!?

Fred disse...

Bem... se dei eu devia estar trêbado... e ninguém me avisou que era... E gostei que tu propositalmente não explicou... GRRRRRRRR!!!!

Rafa disse...

Ai que delícia de texto e de música e que delícia deve ter sido esta dança...

Bj!

Paulo Braccini disse...

Não importa o q e como será do amanhã mas q existem pessoas assim e momentos assim existem ... e como são bons ... isto me lembrou Queer as Folk no baile de formatura ... delícia ...

Antonio de Castro disse...

eu quero dançar essa música assim tb

deu inveja.

Serginho Tavares disse...

você nunca passará despercebido tanto que é esta na homenagem blogueira do JeD!

http://justoedigno.blogspot.com/2011/04/cafe-veneno-naipes-flamejantes.html

beijos

Dave disse...

É o velho e sábio lance de viver o hoje. Intensamente. Sem medo!
Dan, que postagem foda! Meu... Parabéns! Sério!

Abraço.

Fernand's disse...

encontros de almas são assim.


obrigada.
obrigada.
obrigada.


foi o texto + lindo que ouvi hoje e a música mais bela.



bjs, querido.

Fernand's disse...

ouvi = li

Janaína disse...

demais mon'amour!

railer disse...

momentos marcantes.

Lobo disse...

Eu leio essas coisas, e me entristeço por não saber dançar nadinha hahaha.

Mas também não levo jeito pra essas coisas românticas não. Acho lindo ler, acho lindo de ver, mas eu certamente daria um jeito de quebrar o clima.

Beijo Dan

o Humberto disse...

Ai, meu Pai, esse fica até difícil de comentar... E a coisa do olhar, do flerte...até que acontece! Tem coisa melhor?

melo disse...

dança comigo?